Atualmente, principalmente nesse momento Pós-Covid, o planejamento e a prevenção são palavras-chaves dentro das empresas e corporações. O choque que algumas enfrentaram com a necessidade de fechar as portas ou reduzir a produção do dia para noite, evidenciou algumas fragilidades e situações que até podem abalar a estrutura financeira. Ainda, tal experiência demostra que talvez as ferramentas existentes não são suficientes para a nova era: a das incertezas. Antes, imperava a denominada sociedade de riscos, na qual não era possível determinar quais seriam as consequências das ações humanas no meio ambiente.

Hoje o cenário foi intensificado, até a continuidade das atividades está em jogo. Alguns setores foram severamente impactados, não tendo uma perspectiva concreta de melhora. Diante de tudo isso emergem duas questões importantes: qual o papel da minha empresa nesse contexto? É possível mudar esse cenário? As respostas estão inseridas na própria estrutura empresarial.

A variável ambiental cresce e ganha espaço, não só como um elemento que exige o cumprimento de certas normas, mas também um assunto que deve ser tratado preventivamente. A ocorrência de um acidente ambiental é algo possível, a maioria dos processos produtivos enseja uma movimentação expressiva de recursos naturais, captação de água, geração de resíduos, de efluentes e gases. Tudo isso gera impacto. A forma com a crise ambiental será gerida fará toda a diferença, ou a empresa sai destruída ou fortalecida. A resposta positiva só é possível com ações preventivas. O primeiro passo para essa mudança de ação gerencial é a instauração dos comitês ambientais. Quer saber mais? Entre em contato!

Compartilhe